Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE REAL ASSOCIAÇÃO DE LISBOA

O enterro do PPM

 

 

 

Já referi por diversas vezes que considero não fazer qualquer sentido um partido monárquico: a causa monárquica é, pela natureza da instituição que defende, supra-partidária. Tão supra-partidária quanto a causa republicana: ora digam-me quem é mais republicano se Nuno Ramos de Almeida, Vítor Dias, João Gonçalves ou Jorge Ferreira?

Apesar de assim pensar acabei respeitando o Partido Popular Monárquico, afinal um partido fundador da democracia no qual o meu avô João de Castro, um dos mais fiéis monárquicos que conheci, ainda sentiu a (ingénua) felicidade de votar pouco antes de morrer.

Hoje graças ao cisma do inenarrável Câmara Pereira, o PPM caminha para a total desmobilização e completa inexistência. O tempo do antena do PPM ridicularizado pelos Gatos Fedorento é o espelho da negligência e declínio a que o partido chegou: tornou-se uma anedota. E como seria um acto misericordioso que um grupo de indefectíveis tomasse o partido em suas mãos para liquidação e com alguma dignidade fechar as suas portas, acabando com aquele triste espectáculo! Em honra e memória dos seus ilustres fundares: Gonçalo Ribeiro Teles,  João Camossa e Henrique Barrilaro Ruas.

Diário de Notícias refere a retirada da bandeira da sede da R.A.L.

 

O Diário de Notícias de hoje, 19 de Setembro, noticia a ordem de retirada da bandeira da Monarquia da sede da Real Associação de Lisboa, por ordem da Câmara Municipal na presidência do Dr. António Costa. É um episódio que, embora acontecido há quase um ano,  só agora veio ao conhecimento público e vem demonstrar o afã dos republicanos em tentar criar um clima de unanimidade em torno das comemorações do centenário da República que se aproximam. Nada de símbolos do regime que tomaram de assalto, à vista das pessoas.

 

Acontece que a bandeira da Monarquia, primeiro a branca, da Restauração, depois a azul e branca, da Monarquia Cosntitucional,  estava naquela mesma janela há mais de sessenta anos, quando as instalações da Praça Luís de Camões eram a sede da Causa Monárquica, durante a II República  e nos primeiros anos após o 25 de Abril e, depois, quando em 2003 a Real Associação de Lisboa para ali transferiu a sua sede. Passaram pela Câmara, nesta III República democrática, vereações de esquerda e de direita e nunca ninguém quís saber dos regulamentos municipais que estariam a ser violados, como se de uma empresa ou clube de bairro se tratasse. Foi preciso chegar à Câmara o Dr. António Costa para que os serviços camarários, cheios de zelo - e não creio que tenha partido deles a iniciativa - se lembrassem de "repor a legalidade". Diz o Gabinete do Presidente que não há motivações políticas. Claro, é evidente. Só acredita quem quiser.

 

Respeitadores das leis, mesmo se da República, retirou-se a bandeira e já se está a tratar da ridícula burocracia para a recolocar e...pagar a licença. Veremos  quanto tempo demorará o deferimento.

 

A Real Associação de Lisboa é uma estrutura regional integrante da Causa Real, o movimento monárquico de âmbito nacional. Esta é uma associação que visa a divulgação, promoção e defesa da monarquia e da Instituição Real corporizada na Coroa Portuguesa, cujos direitos dinásticos estão na pessoa do Senhor Dom Duarte, Duque de Bragança e em quem legitimamente lhe vier a suceder. Cabe a esta associação a prossecução de iniciativas e de projectos de interesse cultural, social, assistencial e de solidariedade que visem a dignificação, a valorização e o desenvolvimento dos seus associados e da comunidade em que se insere.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D