Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE REAL ASSOCIAÇÃO DE LISBOA

Manifesto A Unir Portugal desde 1143

A Unir Portugal desde 1143

 

 

Neste dia, há precisamente oitocentos e sessenta e nove anos, nascia formalmente o que já se anunciava: uma ideia, um projecto, uma nação que veio a ser Portugal.

 

Neste dia, oitocentos e sessenta e nove anos depois, é o País que está em risco. Privado de uma fatia importante da sua soberania, e financeiramente dependente do exterior, Portugal encontra-se, perigosamente, à beira de um abismo.

 

Os dias estão carregados da indignação de quem sofre sem saber para quê, do desespero de quem não encontra alternativa para os seus problemas. Os tempos que vivemos são marcados pela ausência de esperança de todos os que procuram, mas não encontram, uma saída.

 

Mas ela existe.

 

Procuram-se saídas sem se olhar para o verdadeiro problema, pois a nossa situação requer soluções muito mais profundas.

 

Estamos aqui para lembrar que Portugal vive. Que é maior do que a crise, do que as políticas, e muito maior do que quaisquer indivíduos que conjunturalmente nos governem.

 

Estamos aqui para lembrar que não desistimos da ideia de um Portugal soberano e  independente. De um Portugal livre. É o mesmo espírito de união, a mesma ideia e o mesmo projeto que nos anima desde 1143. Portugal não é um desafio impossível nem um problema irresolúvel. Acreditamos que existem soluções. Soluções reais, para causas reais.

 

Ao contemplarmos o futuro, vemos a possibilidade de uma democracia mais representativa, mais eficaz, mais transparente, uma democracia mais plena, assente num sistema político que sobreponha os interesses de Portugal e dos portugueses aos interesses próprios de cada um, de cada partido. Estamos convictos da absoluta e imperiosa necessidade de termos um país onde os cidadãos recuperem o orgulho da sua identidade e a confiança em quem os representa para que possam realmente viver em liberdade e que em momento algum lhes serão pedidos sacrífios vãos ou injustos.

 

Olhando à nossa volta, para os nossos parceiros europeus, constatamos que a Instituição Real é o elemento que permite devolver o futuro aos Portugueses, recuperar plenamente a ideia de Portugal, protegendo a nossa identidade, a nossa língua, a nossa história, o nosso futuro, a nossa essência. É nossa profunda convicção que só uma alternativa encimada pela Instituição Real nos poderá libertar de um regime obsoleto, gasto e imposto pela força, que após 16 anos de caos e de infâmia, de 40 anos de autoritarismo paternalista e de 38 de prodigalidade e desgoverno financeiro nos deixou, a todos, falidos e desnorteados.

 

Só um Chefe de Estado total e verdadeiramente independente de todos os grupos políticos e económicos, e com uma ligação profunda à essência da Pátria, pode garantir uma nação verdadeiramente livre.

 

Só um Chefe de Estado movido por nenhum outro interesse que não seja o interesse nacional pode ser o efectivo garante do regular funcionamento da democracia, assegurando a separação de poderes de um Estado de Direito, ao mesmo tempo que se submete constantemente ao escrutínio dos Portugueses.

 

A Chefia de Estado que o regime monárquico defende é a que melhor compreende o presente, oferecendo um olhar renovado para o futuro onde Portugal e os Portugueses estarão, garantidamente e sempre, em primeiro lugar.

 

É hora de pensar com ambição e esperança.

É hora de oferecer a possibilidade de dias mais luminosos.

É hora de sermos audazes e de encontrarmos de novo um sentido para o nosso país que hoje cumpre oitocentos e sessenta e nove anos de vida.

Apelamos ao povo português para que pense, sem preconceitos, sem utopias, sem demagogia, na alternativa que apresentamos. Uma alternativa real.

 

Porque somos consequentes com este manifesto – e porque estamos convictos de que é na Instituição Real que reside o futuro de Portugal – assumimos o firme compromisso de ir ao encontro dos portugueses, em Portugal e no estrangeiro, para esclarecer todos os cidadãos das características e benefícios de uma monarquia para o Portugal que gostaríamos de ter no século XXI. 

 

É nisto que acreditamos, é isto que defendemos. Pela restauração de Portugal, com o mesmo entusiasmo que guiou as vontades de quem viveu este dia, há oitocentos e sessenta e nove anos.

 

 

Viva Portugal!

 

 

 

Lista inicial de subscritores

Luís Lavradio

Vasco Soares da Veiga

Nuno Miguel Guedes

Nuno Pombo

Maria da Conceição Monteiro Calado

Maria Teresa Corte-Real

José Carlos Ramalho

Augusto Ferreira do Amaral

Jorge Leão

Gonçalo Brito e Cunha

José Tomaz de Mello Breyner

Rodrigo Moita de Deus

Nuno Pinto de Magalhães

Luís Miguel Barata

Pedro Paes de Ramos

António Braamcamp Sobral

António de Souza-Cardoso

Maria Teresa Costa Macedo

Joana Dias Pereira

Fábio Reis Fernandes

Jose Aníbal Castro Marinho Soares Gomes

Dom Vasco Telles da Gama

Miguel Esperança Pina

Luís da Costa de Sousa de Macedo

Sérgio Rau Silva

Miguel Alarcão Júdice

Miguel Lavradio

José Carlos Craveiro Lopes Cortez de Lobão

José Adelino Maltês

Fernando Hélio Loureiro

Maria Augusta do Quental de Meneses

Tomás A. Moreira

António Malheiro de Magalhães

Domingos Patacho

Helder Macedo Sampaio

António Macedo

Manuel Guerra Pinheiro

Pedro Maia

Pedro Magalhães

Joaquim Costa Nora

Rui Gomes Araújo

Álvaro Barba de Menezes

Alexandra de Almeida e Vasconcellos

Elisa de Vasconcellos e Sousa

Carlos M. Gomes Pereira

João Brito e Cunha

Alexandre Sousa Pinto

António Feijó

Mendo Castro Henriques

Glória de Melo

Vasco Medeiros Rosa

Paulo Dias Figueiredo

Carlos França

Miguel Sousa Otto

Henrique Corrêa da Silva

João Távora

Ana Maria Simoes

Francisco Mendia

Joao Bettencourt

Maria Leonor Martins de Carvalho

Gonçalo Ribeiro Telles

Carlota Cambournac

Joao Alarcão de Carvalho Branco

Joao Vicente de Saldanha Oliveira e Sousa

Luís Coimbra

Maria da Graça Sanches da Gama

Miguel Pignatelli Queiroz

Pedro Cassiano Neves

Ashok Hansraj

Duarte Seabra Calado

Jose Alarcão Troni

Salifo Djau

Diogo Lucena

Álvaro Silveira de Menezes

Paulo Teixeira Pinto

António Nogueira Leite

 

Junte-se a nós aqui

A Real Associação de Lisboa é uma estrutura regional integrante da Causa Real, o movimento monárquico de âmbito nacional. Esta é uma associação que visa a divulgação, promoção e defesa da monarquia e da Instituição Real corporizada na Coroa Portuguesa, cujos direitos dinásticos estão na pessoa do Senhor Dom Duarte, Duque de Bragança e em quem legitimamente lhe vier a suceder. Cabe a esta associação a prossecução de iniciativas e de projectos de interesse cultural, social, assistencial e de solidariedade que visem a dignificação, a valorização e o desenvolvimento dos seus associados e da comunidade em que se insere.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D