Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BLOGUE REAL ASSOCIAÇÃO DE LISBOA

Vemos, ouvimos e lemos...

 

 

A mais de um ano das eleições presidenciais começou com Manuel Alegre e Fernando Nobre a dança das candidaturas. Ambas ditas independentes e supra-partidárias mesmo se, no caso do poeta, teve imediatamente o apoio do Bloco de Esquerda e mais tardiamente, a contra-gosto, o do Partido Socialista de que é militante e se Fernando Nobre confessa que seria uma honra ter como apoiante Mário Soares, ex - presidente  e que não apoia Alegre, reunindo à sua volta um grupo de descontentes com a decisão dos órgãos oficiais do PS, que poderão vir a apoiá-lo.

Cavaco Silva, em funções na chefia do Estado, aguarda calmamente o desenrolar dos acontecimentos, nomeadamente a tentativa falhada, ao que parece, de à direita lhe arranjarem um opositor que se venha entrincheirar em Belém quando estiver em desacordo com leis da esquerda agora maioritária na Assembleia da República e dispare vetos sobre vetos, mesmo que não produzam qualquer mossa no alvo.

E falta ainda o PCP que terá também o seu candidato, por razões de princípio, mas que, numa 2ª volta, votará em Alegre para barrar o caminho a Cavaco. E à “reacção”.

Todos eles dirão ou já disseram que são independentes, não se sabe de quem ou do quê, e que querem unir os portugueses. E que querem vir a ser o “presidente de todos os portugueses”, numa farsa digna de Gil Vicente ou, mais modernamente, da revista à portuguesa.

Hoje é o candidato Fernando Nobre que dá uma entrevista ao Diário de Notícias e que esclarecendo que “Não sou monárquico, sou republicano. É uma inverdade, acho isso espantoso” diz , como não podia deixar de ser que Estou nesta candidatura para unir todos os portugueses, o que passa por unir os republicanos, os monárquicos, os imigrantes naturalizados, todos”. E mais diz, depois de tentar não se situar politicamente à esquerda ou à direita, respondendo ao entrevistador que o coloca no centro- esquerda, que possivelmente é um homem dessa área política. E mais diz ainda, o que obviamente agrada à direita, que é um patriota e não tem vergonha de o dizer. Tal como Manuel Alegre já o disse em eleições anteriores, no que é a manifestação de uma posição tradicional da maioria dos republicanos que fizeram o 5 de Outubro (passe os iberistas que por lá andaram também) e lhe terá valido os votos de alguns monárquicos desprevenidos e equivocados, em contra-ponto aos esquerdismos reaccionários pós 25 de Abril, aos neo-iberistas e aos federalistas europeus.

 

Tenho pelo Dr. Manuel Alegre apreço, como poeta e cidadão, como tenho pelo Prof. Cavaco Silva, como economista e pessoa de bem, como tenho pelo Dr. Fernando Nobre o maior apreço como servidor incansável das causas sociais e das causas humanitárias. Não é isso que está em causa. Como não está em causa escolher ou ajudar a escolher o mal menor destas candidaturas que se nos apresentam. Nem alimentar o mito de um candidato monárquico à presidência da República que, por artes de berliques e berloques, viesse a convocar um referendo para escolher o regime (mesmo se as normas constitucionais o não permitem) ou a, num golpe de Estado, restaurar a Monarquia. O que, além do mais, revelaria uma pessoa desonesta. O Dr. Fernando Nobre desfez esse mito e ainda bem. É tão republicano como os outros, pretende eternizar esta república centenária e decadente como os outros. Merece a minha indiferença como os outros. Eu quero um Rei, verdadeiramente independente e supra-partidário e não um sábio ou um intelectual ou um tecnocrata ou um santo, mesmo se laico, na chefia do Estado. “Vemos, ouvimos e lemos, não podemos ignorar”.

2 comentários

Comentar post

A Real Associação de Lisboa é uma estrutura regional integrante da Causa Real, o movimento monárquico de âmbito nacional. Esta é uma associação que visa a divulgação, promoção e defesa da monarquia e da Instituição Real corporizada na Coroa Portuguesa, cujos direitos dinásticos estão na pessoa do Senhor Dom Duarte, Duque de Bragança e em quem legitimamente lhe vier a suceder. Cabe a esta associação a prossecução de iniciativas e de projectos de interesse cultural, social, assistencial e de solidariedade que visem a dignificação, a valorização e o desenvolvimento dos seus associados e da comunidade em que se insere.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D