Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE REAL ASSOCIAÇÃO DE LISBOA

Profissionalização, competência e Honra, precisam-se

Em tempos de especialização, em que as ciências médicas são compartimentadas até à exaustão da paciência e dos recursos dos doentes, em que já não há clínico capaz de diagnosticar qualquer doença sem o auxílio de laboratórios, custa-me compreender porque se considera direito inalienável do "pagode" votar de cinco em cinco anos para a chefia do Estado. 

 Com a corrupção tão generalizada entre a classe política como as fugas de informação do sistema judicial para a comunicação social vieram perigosamente demonstrar, com quase dez por cento da população no desemprego e com os melhores alunos das nossas universidades a emigrarem, em busca de oportunidades, é espantoso vermos o chefe de Estado na televisão, a queixar-se de que o andam a espiar! 

 Elegemos um senhor para supremo magistrado da Nação, dividindo desde logo os Portugueses, para ele vir depois queixar-se publicamente da inconstitucionalidade das leis, ou de que o Governo o anda a espiar? Não haverá outros órgãos de soberania adequados para tratar estes assuntos com a necessária discrição, em nome da honorabilidade do Estado de Direito? 

E como explicar que um País pobre e minado pela corrupção e pelo desemprego, suporte uma instituição com tão pouca dignidade, que consome ao orçamento o dobro da Casa Real em Espanha, que, como sabemos, é quatro vezes maior e mais populosa que Portugal, a que acrescem os gastos com as mordomias a que os três ex-presidentes vivos têm direito, mais os custos das eleições a cada cinco anos? 

É tempo de fazermos um balanço, sabendo que também cá temos um Rei, descendente de D. Afonso Henriques, com honra, que ofereceria ao Estado um profissionalismo e uma competência que em república não temos logrado ter, certamente com menores custos e enormes vantagens. É tempo, antes que eles comam tudo e não deixem nada, como dizia uma canção já antiga, mas nunca tão actual.

 

Dom Vasco Teles da Gama, publicado no Diário Digital a 19-Nov-2009

A Real Associação de Lisboa é uma estrutura regional integrante da Causa Real, o movimento monárquico de âmbito nacional. Esta é uma associação que visa a divulgação, promoção e defesa da monarquia e da Instituição Real corporizada na Coroa Portuguesa, cujos direitos dinásticos estão na pessoa do Senhor Dom Duarte, Duque de Bragança e em quem legitimamente lhe vier a suceder. Cabe a esta associação a prossecução de iniciativas e de projectos de interesse cultural, social, assistencial e de solidariedade que visem a dignificação, a valorização e o desenvolvimento dos seus associados e da comunidade em que se insere.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D